Este site utiliza cookies. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Fechar
Meta

Meta, dona do Facebook, vai despedir mais de 11000 funcionários

A Meta, empresa dona do Facebook, anunciou hoje que irá despedir mais de 11.000 funcionários, numa tentativa de reduzir os custos na sequência de ganhos decepcionantes e de uma queda nas receitas. As amplas reduções de postos de trabalho seguiram-se a despedimentos em outras grandes empresas tecnológicas, incluindo o Twitter, adquirido recentemente por Elon Musk, e a Microsoft.

“Hoje estou a partilhar algumas das mudanças mais difíceis que fizemos na história da Meta. Decidi reduzir o tamanho da nossa equipa em cerca de 13% e deixar ir mais de 11.000 dos nossos talentosos”, disse hoje o Chefe do Executivo, Mark Zuckerberg, num post partilhado no site da Meta.

“Estamos também a tomar uma série de medidas adicionais para nos tornarmos uma empresa mais enxuta e eficiente, cortando as despesas discricionárias e prolongando o nosso congelamento de contratações até ao primeiro trimestre”, acrescentou Zuckerberg.

Assumindo a responsabilidade pelas decisões, Mark Zuckerberg pediu desculpa aos funcionários da Meta. “Quero assumir a responsabilidade por estas decisões e pela forma como aqui chegámos”. Sei que isto é difícil para todos, e lamento especialmente para aqueles que foram atingidos”, disse ele.

Como despedimento, os funcionários vão receber 16 semanas de pagamento de base, juntamente com duas semanas adicionais por cada ano de serviço. Os empregados receberão o custo dos cuidados de saúde durante seis meses, disse a empresa.

Estas reduções, são parte do primeiro grande corte orçamental desde a fundação do Facebook em 2004, reflectem um forte abrandamento das receitas da publicidade digital, uma economia a vacilar à beira da recessão e o pesado investimento de Mark Zuckerberg num empurrão especulativo de realidade virtual chamado metaverso.

Zuckerberg salientou a necessidade da Meta se tornar mais eficiente em termos de capital e disse que a empresa iria transferir recursos para “áreas de crescimento de alta prioridade” tais como o seu motor de descoberta de IA, anúncios e plataformas de negócios, bem como o seu projecto metaverso.

Mark Zuckerberg referiu ainda que “acredita que a Meta é hoje profundamente subestimada como empresa. Biliões de pessoas utilizam os nossos serviços para se ligarem, e as nossas comunidades continuam a crescer. O nosso negócio principal está entre os mais rentáveis jamais construídos, com enorme potencial pela frente. E somos líderes no desenvolvimento da tecnologia para definir o futuro da ligação social e a próxima plataforma informática. Fazemos um trabalho historicamente importante. Estou confiante de que se trabalharmos de forma eficiente, sairemos desta recessão mais fortes e mais resistentes do que nunca.”

Zuckerberg terminou o seu post dizendo que a empresa partilhará, nas próximas semanas, mais informaçoes sobre a forma como a Meta irá funcionar como uma organização racionalizada para atingir as suas prioridades.

Empregos e estágios perto de si

Veja também

NAV

NAV abriu candidaturas para o Curso de Formação Inicial de Controlador de Tráfego Aéreo

A NAV Portugal tem como missão garantir a prestação segura e eficiente de Serviços de …